FREEMIND - ESPÍRITO DE UNIDADE

No Brasil morrem 748 pessoas por dia, vitimadas pelo uso de DROGAS lícitas e ilícitas, segundo fontes oficiais (Ministério da Saúde,  Instituto do Câncer e Organização Mundial da Saúde). Nesse número não estão incluídas mortes decorrentes de crimes ou acidentes ocorridos com pessoas alcoolizadas ou drogadas como foi o caso do bárbaro assassinato da dentista em São Bernardo que foi queimada viva por um adolescente sob efeito de cocaína e nem do jovem que assassinou 6 taxistas em São Paulo por conta da necessidade da compra da droga da qual era viciado. Se esses entrassem nas estatísticas os números seriam muito maiores. Portanto, Diariamente morrem o equivalente a 3 boates KISS no Brasil.Incêndio que causou uma comoção nacional.
Outros números alarmantes são mostrados pela pesquisa da Uniad, que  mostra 6.314.000 pessoas usando, no último ano, cocaína ou maconha no País. Outra pesquisa, realizada pela Apeosp e divulgada na última semana mostra que 42% dos professores já presenciaram o consumo de drogas dentro das Escolas Públicas e 29 % já presenciaram o tráfico, além de outros 29 % terem visto alunos sob efeito do álcool.
O Brasil vive um momento em que não existe mais espaço apenas para discurso e tentativas. Os números crescem assustadoramente mesmo com ações sendo anunciadas sistematicamente por organismos responsáveis por ações de combate a Drogadição. 
Entidades, que há anos lutam heroicamente quase que sós contra esse problema, por mais que cada vez mais especializadas, quando é o caso, sentem-se impotentes nessa luta em que sempre a falta de recursos e  de políticas públicas que favoreçam o trabalho delas, são uma triste realidade. 
Os governos, mesmo que munidos de boa vontade, muitas vezes sentem as amarras da burocracia e das preocupações orçamentárias e dos diversos interesses e compromissos que eleições sequentes trazem, o que impede ações efetivas e não pontuais, estas sempre mais preocupadas com os efeitos da comunicação do que com sua efetividade e resolutividade. 
A mídia, que muitas vezes deixa de fazer, por questões de interesses naturais do ofício, campanhas preventivas, não consegue contribuir como deveria para ajudar nesse combate. Se usassem 5 % do tempo que foi gasto com a cobertura do incêndio da Boate Kiss, por exemplo, em uma campanha preventiva contra o álcool e as drogas conseguiríamos certamente diminuir esses índices. Se o número de 241 mortes no incêndio é notícia,a preocupação com esse número multiplicado por três de pessoas morrendo ao dia, também deveria ser.
Vivemos um problema em que todos precisam estar unidos na tentativa de vencê-lo. Sem vaidades, segundas intenções, interesses políticos etc. A sociedade inteira e as famílias, mesmo em não se sentindo responsáveis, precisam entrar nessa luta. Conhecer o problema e ajudar de forma efetiva na prevenção e na solução desse mal que mata milhares de pessoas no Brasil. Se entidades, governos e mídia são incapazes de sozinhos combaterem esse mal, a sociedade precisa entrar nessa luta. Grandes catástrofes exigem ações de mobilização de toda a sociedade. O Japão, após a segunda guerra mundial, depois da bomba de Hiroshima usou dessa mobilização para se reconstruir. Está sendo assim também com a reconstrução após o tsunami. Um País inteiro, unido, sendo solidário e superando um problema. 
O Freemind tem essa missão: Despertar na sociedade a necessidade de conhecer os problemas das drogas e motivá-la a se envolver de forma direta na sua resolução, com o objetivo de diminuir os índices de uso e abuso de drogas lícitas e ilícitas no Brasil.

Depois do Congresso Internacional Anti Drogas realizado em Janeiro no Anhembi, quando seu custo foi integralmente bancado pela iniciativa privada, várias ações vêm sendo realizadas com esse objetivo. Na área de tratamento cerca de 200 pequenas comunidades terapêuticas receberão capacitação de Gestão Administrativa Financeira, Marketing e captação de Recursos, além de Capacitação para a aplicação das Ferramentas Freemind escritas e desenvolvidas pelo Escritor e Psiquiatra Augusto   Cury. 
Um Portal Anti Drogas foi lançado e nele um acesso enorme de informações completas sobre a drogadição está disponível, além de um chat de Iguais falando com Iguais e um setor de perguntas e respostas, cujo objetivo é dar maior acesso às dúvidas com relação às drogas.
Um vídeo game de prevenção e um aplicativo para celular baseado nas virtudes estão sendo desenvolvidos e serão lançados brevemente.
Mas a Grande Ação deste Espírito de Unidade é a Ação em Atibaia, lançada no dia 22 de maio, que se configura como uma tentativa ousada de tentar criar uma política pública não governamental de Prevenção às Drogas. campanhas informativas, dinâmicas realizadas por diversas entidades do setor de Drogadição com know-how e vasta experiência na área,  vão atingir todos os setores da sociedade de Atibaia. Tudo isso financiado pela iniciativa privada, e com um importante apoio do Poder Público local. 
A unidade, constituída através do respeito às diversidades de opiniões, se mostra como o principal instrumento capaz de mobilizar todos aqueles que juntos tem o objetivo de vencer esse mal que tanto destrói vidas e famílias. Venha conosco e nos ajude a ir adiante. O Brasil não precisa de heróis, mas sim de que cada um faça sua parte, mesmo que não se sinta responsável. Vamos à Luta.

José Eduardo Martelli